Início » Pobreza na Argentina atinge maior patamar em 20 anos, aponta estudo

Pobreza na Argentina atinge maior patamar em 20 anos, aponta estudo

por Daiane Giesen
208 visualizações

O nível de pobreza na Argentina atingiu 57,4% em janeiro, o mais alto em pelo menos 20 anos. Os dados são de um relatório da Universidade Católica da Argentina (UCA) citado pela mídia local no domingo (18).

Segundo o estudo, a desvalorização do peso levada a cabo pelo presidente Javier Milei logo após a sua posse, no início de dezembro, e os aumentos de preços por ela causados, agravaram os níveis de pobreza, que fecharam o ano em 49,5%.

“A verdadeira herança do modelo de castas: seis em cada 10 argentinos são pobres”, disse o libertário Milei, em uma postagem nas redes sociais na noite de sábado (17).

Milei assumiu o cargo prometendo “dolarizar” a economia; controlar as altas taxas de inflação do país, que superam 200% ao ano; eliminar o déficit fiscal e acabar com os benefícios para a classe política argentina, que Milei chama de “a casta”.

Em dezembro, o governo lançou reformas econômicas, que incluíam uma desvalorização de 54% do peso frente ao dólar norte-americano, causando o colapso dos rendimentos dos argentinos à medida que os preços disparavam. Outras medidas incluíram a redução dos subsídios à energia e aos transportes e a implementação de aumentos de impostos destinados a alcançar o equilíbrio fiscal.

Na sexta-feira (16), o Ministério da Economia da Argentina informou um superávit orçamentário de janeiro de 518,41 bilhões de pesos (R$ 3,07 bilhões), a primeira vez que o número ficou no verde desde agosto de 2012.

Publicações Relacionadas

Receba nosso Informativo

Informação de Contato
656415
© 2023 - Grupo Ceres de Comunicação - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade