Início » Paquistão lança ataque aéreo no Irã dois dias após bombardeio iraniano no país

Paquistão lança ataque aéreo no Irã dois dias após bombardeio iraniano no país

por Daiane Giesen
262 visualizações

O Paquistão realizou uma série de ataques militares no Irã contra o que disse serem esconderijos de militantes combatentes separatistas, segundo o Ministério das Relações Exteriores paquistanês nesta quinta-feira (18), no último incidente na fronteira comum que aumentou as tensões entre os dois vizinhos.

Os novos ataques significam que tanto o Paquistão como o Irã deram agora o passo extraordinário de atacar militantes em território um do outro nesta semana, num momento de conflito crescente no Oriente Médio e em toda a região.

Islamabad, capital do Paquistão, disse que as suas forças lançaram uma “série de ataques militares de precisão altamente coordenados e especificamente direcionados” no sudeste do Irã, na província do Sistão e no Baluchistão, como parte de uma operação chamada “Marg Bar Sarmachar” – uma frase que se traduz livremente como “morte aos combatentes da guerrilha”.
Vários militantes foram mortos durante a operação, acrescentou o Paquistão.

O vice-governador da província de Sistão e Baluchistão, Alireza Marhamati, disse numa entrevista à televisão estatal que pelo menos sete pessoas foram mortas na sequência de explosões e que os mortos incluíam três mulheres e quatro crianças, que eram cidadãos estrangeiros.

“Às 4h30, foram ouvidas explosões numa aldeia fronteiriça, vários mísseis foram disparados contra a aldeia”, disse Marhamati.

O vice-governador disse que outra explosão ocorreu perto da cidade de Saravan, mas não houve vítimas nessa segunda explosão.

Autoridades de segurança estão investigando, disse a mídia estatal iraniana IRNA.

Tanto o Paquistão como o Irã lutam há muito tempo contra militantes na agitada região Baloch ao longo da sua fronteira de 900 quilômetros, mas o último incidente marca uma grande escalada entre as duas potências vizinhas e ocorre num momento em que as hostilidades regionais no Oriente Médio aumentam devido à contínua guerra de Israel na Faixa de Gaza.

O Paquistão disse nesta quinta-feira que expressou preocupação ao Irã nos últimos anos sobre os “refúgios e santuários seguros” dos combatentes separatistas paquistaneses, conhecidos como Sarmachar, que vivem dentro do Irã, e que compartilharam evidências da presença e atividades dos militantes.

“No entanto, devido à falta de ação em relação às nossas sérias preocupações, estes chamados Sarmachars continuaram a derramar o sangue de paquistaneses inocentes impunemente. A ação desta manhã foi tomada à luz de informações credíveis sobre atividades terroristas iminentes em grande escala”, afirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Paquistão.

O Paquistão afirmou que “respeita plenamente a soberania e a integridade territorial da República Islâmica do Irã” e que o “único objetivo do ato de hoje foi a prossecução da própria segurança e do interesse nacional do Paquistão, que é primordial e não pode ser comprometido”.

Ataque iraniano ao Paquistão
O lançamento do míssil do Paquistão ocorre um dia depois de o Irã ter dito que usou “ataques com mísseis de precisão e drones” para destruir dois redutos do grupo militante sunita Jaish al-Adl na província do Baluchistão, no sudoeste do Paquistão, de acordo com a agência de notícias Tasnim, alinhada ao Estado iraniano.

Os ataques mataram duas crianças e feriram várias outras, de acordo com autoridades locais e o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Paquistão, que descreveu o ataque como uma “violação não provocada do seu espaço aéreo pelo Irã” e alertou o Irã para “sérias consequências”.

Também deu início a uma disputa diplomática com o Paquistão na quarta-feira, chamando de volta o seu embaixador no Irã e suspendendo todas as visitas iranianas de alto nível.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Paquistão disse que o embaixador iraniano no Paquistão não deveria retornar de uma visita atual ao Irã e alertou que “o Paquistão reserva-se o direito de responder a este ato ilegal”.

O Irã defendeu os ataques e pareceu procurar acalmar as tensões com o seu vizinho.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Amir-Abdollahian, disse que o seu país só tinha como alvo “terroristas” iranianos em solo paquistanês e que “nenhum dos cidadãos do país amigo do Paquistão foi alvo de mísseis e drones do Irã”.

Um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros defendeu anteriormente os ataques como uma operação “precisa e direcionada” para dissuadir ameaças à segurança.

Mas o ataque mortal dentro do território paquistanês prejudicou seriamente as relações entre os dois países, disse o ministro das Relações Exteriores do Paquistão, Jalil Abbas Jilani, ao seu homólogo iraniano.

“O Ministro dos Negócios Estrangeiros sublinhou firmemente que o ataque conduzido pelo Irã dentro do território paquistanês, em 16 de janeiro de 2024, não foi apenas uma violação grave da soberania do Paquistão, mas também uma violação flagrante do direito internacional e do espírito das relações bilaterais entre o Paquistão e o Irã”, disse o ministério.

Jilani também alertou que ações unilaterais podem minar a segurança regional, dizendo que o terrorismo é uma ameaça comum que deve ser combatida através de esforços coordenados, disse o seu gabinete.

O povo Baloch vive onde o Paquistão, o Afeganistão e o Irã se encontram. Eles têm um histórico de exibir uma tendência ferozmente independente e sempre se ressentiram de serem governados tanto por Islamabad quanto por Teerã, com insurgências borbulhando na porosa região fronteiriça durante décadas.

A área onde vivem também é rica em recursos naturais e os separatistas balúchis queixam-se de que o seu povo, alguns dos mais pobres da região, viu pouca riqueza chegar às suas comunidades.

Jaish al-Adl, ou Exército da Justiça, alvo do Irã na terça-feira, é um grupo militante separatista que opera em ambos os lados da fronteira e que já assumiu a responsabilidade por ataques contra alvos iranianos.

O seu objetivo declarado é a independência da província iraniana do Sistão e do Baluchistão, vizinha do Paquistão.

Na quarta-feira, assumiu a responsabilidade por um ataque a um veículo do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) no Sistão e no Baluchistão, que a mídia estatal iraniana afirma ter matado um de seus coronéis.

Publicações Relacionadas

Receba nosso Informativo

Informação de Contato
656415
© 2023 - Grupo Ceres de Comunicação - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade