Início » Estado terá déficit de 10 mil professores na Educação Básica em 2040

Estado terá déficit de 10 mil professores na Educação Básica em 2040

por Daiane Giesen
294 visualizações

Um estudo divulgado pelo Serviço Social da Indústria (Sesi-RS) traz dados alarmantes sobre a situação educacional no Rio Grande do Sul. Segundo esse estudo intitulado “Apagão de professores: uma análise dos impactos da oferta de docentes no RS,” divulgado nesta terça-feira (10), é estimado que o estado enfrentará um déficit de 10 mil professores na Educação Básica até o ano de 2040.

Essa análise foi conduzida pelo Observatório Sesi da Educação, pertencente ao Instituto Sesi de Formação de Professores. Seu principal objetivo é projetar a demanda futura por professores e identificar os fatores que poderão influenciar a disponibilidade desses profissionais.

Para chegar a essa conclusão, o estudo se baseou em dados de referência do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2018 e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) de 2023. Segundo essas fontes, o Rio Grande do Sul apresenta uma média de 20 alunos por professor na Educação Básica. Com base nesse número, especialistas consideraram a projeção de redução na população com idades entre quatro e 18 anos, chegando à previsão de que, em 2040, o estado terá 83.783 professores em atividade, enquanto serão necessários 94.137 docentes. Portanto, estima-se um déficit alarmante de 10.354 professores de acordo com o Observatório Sesi da Educação.

Além disso, o estudo também aborda a queda no interesse pela licenciatura no Rio Grande do Sul. Entre 2010 e 2021, houve uma redução significativa no número de estudantes ingressantes (-59,91%), nas matrículas (-48,37%) e nos formados (-59,25%) em cursos de licenciatura. Mesmo considerando a influência da pandemia, os pesquisadores ressaltam que essa tendência de redução já estava ocorrendo antes da crise sanitária.

A oferta de cursos de licenciatura no estado também foi afetada, e os pesquisadores destacam que isso impacta diretamente na disponibilidade de vagas e, por consequência, no número de estudantes ingressantes. A oferta de cursos de licenciatura em instituições de Ensino Superior privadas sofreu a maior queda, com uma redução de 48,3% entre 2010 e 2021.

Além do déficit quantitativo, a pesquisa também destaca a “escassez oculta” de professores, considerando não apenas números absolutos, mas a inadequação de profissionais capacitados em áreas específicas. No Ensino Fundamental, por exemplo, foi identificado que cerca de 25% dos professores que atuam na área de Matemática não possuem a formação adequada. Em Geografia, esse índice sobe para 45% nos anos finais e 32% nos anos iniciais.

No Ensino Médio, a situação é ainda mais preocupante, com quatro em cada cinco professores de Sociologia sem a formação adequada e mais da metade dos docentes de Física não possuindo licenciatura na área.

Por fim, os dados de 2021 da Relação Anual de Informações Sociais revelam que o salário médio de um professor no estado é de R$ 4.024. No entanto, quando se compara com profissionais da mesma área que não atuam como docentes, fica evidente uma disparidade, com os salários médios dos profissionais das áreas exatas, como físicos, químicos e matemáticos, sendo 67% maiores em comparação com a média salarial dos docentes no Rio Grande do Sul, conforme aponta o estudo.

Fonte: GZH

Publicações Relacionadas

Receba nosso Informativo

Informação de Contato
656415
© 2023 - Grupo Ceres de Comunicação - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade