Início » Presidente da OAB de Não-Me-Toque fala sobre os impactos das enchentes no judiciário gaúcho

Presidente da OAB de Não-Me-Toque fala sobre os impactos das enchentes no judiciário gaúcho

por Daiane Giesen
92 visualizações

Os recentes eventos climáticos que assolaram o estado do Rio Grande do Sul deixaram marcas profundas em todos os segmentos da sociedade. O sistema judiciário não foi exceção, enfrentando desafios que levaram à suspensão de prazos e audiências até o final de maio. Em uma entrevista exclusiva ao Grupo Ceres de Comunicação, o Presidente da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Não-Me-Toque, Dr. Jonas Ercego, detalhou as dificuldades enfrentadas pelo setor.

“A sede da OAB em Porto Alegre também foi duramente atingida. O primeiro piso ficou submerso, impossibilitando a gestão jurídica eficiente, como a realização de audiências e a tramitação de processos,” explicou o presidente. “Além disso, muitas pessoas buscando seus direitos foram afetadas, e a circulação e rotina de todos ficaram comprometidas.”

Dr. Ercego destacou que a devastação foi generalizada, afetando não apenas os tribunais, mas também as comunidades locais. “Em três oportunidades, ajudamos as famílias afetadas, principalmente no Vale do Rio Pardo e no Vale do Taquari. Foi impressionante ver rios subindo 33 a 35 metros, destruindo tudo no caminho – mercados, casas e separando famílias.”

Diante desse cenário, os tribunais do estado passaram a operar em regime de plantão. “Nós, advogados e presidentes de subseções, monitoramos a situação e levamos as demandas à seccional em Porto Alegre. Muitos colegas não podiam comparecer às audiências devido aos alagamentos,” relatou o presidente da subseção.

Com a suspensão dos prazos, apenas os atendimentos urgentes continuam sendo realizados. “Casos de prisão, alimentos e medicamentos, que envolvem a vida das pessoas, são tratados como prioridade. Esses são os únicos atendimentos sendo realizados nos tribunais durante esse período crítico,” enfatizou o advogado.

Justiça do RS deve voltar a funcionar ‘regularmente’ a partir de 1° de junho

Durante uma sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), presidido pelo ministro Luís Roberto Barroso, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) assegurou que, a partir de 1º de junho, a Justiça do Rio Grande do Sul retomará suas operações “normalmente”. Desde o final de abril, o estado tem lidado com as consequências severas de tempestades intensas, resultando em inundações em várias localidades. Os sistemas judiciais do estado foram prejudicados pelas chuvas intensas, levando à suspensão dos prazos processuais.

Sistema do TRF-4 volta a operar

Após as enchentes, os sistemas na sede do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) em Porto Alegre foram desligados. Desde então, técnicos de informática trabalharam na recuperação dos sistemas.

Nesta terça-feira, o TRF-4, que é a segunda instância dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, anunciou que os sistemas de informática utilizados pela Corte estão operacionais novamente.

Publicações Relacionadas

Receba nosso Informativo

Informação de Contato
656415
© 2023 - Grupo Ceres de Comunicação - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade