Início » Expectativa de vida ao nascer cai para 76,38 anos no Rio Grande do Sul

Expectativa de vida ao nascer cai para 76,38 anos no Rio Grande do Sul

por Daiane Giesen
258 visualizações

A expectativa de vida ao nascer no Rio Grande do Sul caiu para 76,38 anos em 2021, uma redução de 1,07 ano em relação à idade registrada em 2020. O resultado indica a primeira queda desde 2010, quando iniciou a série histórica, e aponta o impacto direto dos óbitos registrados pela Covid-19.

As informações constam no estudo Indicadores de Mortalidade Para o RS e Seus Conselhos Regionais de Desenvolvimento, produzido pelo Departamento de Economia e Estatística, vinculado à Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão.

Conforme a pesquisa, divulgada nesta sexta-feira (26), as doenças infecciosas e parasitárias, categoria da Covid-19, foram a principal causa de óbitos entre os moradores do Rio Grande do Sul em 2021, responsáveis por 26,4% do número total de 117.722 mortes. Em 2020, elas foram a terceira principal causa de óbito no Estado e, em 2019, ocupavam o nono lugar. O número total de mortes registradas no RS em 2021 foi 26,9% maior do que o verificado em 2020.

Em uma projeção realizada no estudo, caso as mortes por doenças infecciosas e parasitárias fossem excluídas do cálculo, a expectativa de vida ao nascer no Estado seria de 78,33 anos, 1,95 ano a mais do que o número final.

O material aponta a manutenção da diferença de sete anos na expectativa de vida ao nascer entre homens e mulheres no Rio Grande do Sul. Para as mulheres, a estimativa chegou a 79,88 anos em 2021, enquanto para os homens foi de 72,86 anos.

Seguindo as doenças infecciosas e parasitárias, as doenças do aparelho circulatório ocuparam a segunda colocação entre as causas de mortes no Estado em 2021, com 19,8% do total, seguidas das neoplasias (câncer), com 16,9%, das doenças do aparelho respiratório (7,1%) e de causas externas (6,5%).

Entre a população de 1 a 34 anos de idade, as causas externas, como homicídios, acidentes de transporte, suicídio e quedas, ocupam a primeira posição como principais causas de morte. A partir dos 35 até 79 anos, as doenças infecciosas e parasitárias tornam-se as líderes.

Resultados por regiões

A expectativa de vida média ao nascer entre as 28 regiões dos Coredes (Conselhos Regionais de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul) também está contemplada no estudo. A diferença entre a maior e a menor estimativa de expectativa de vida ao nascer nos Coredes é de 5,01 anos.

Os dados indicam que, em 2021, uma pessoa da região do Corede Norte, que engloba a região de Erechim, tinha expectativa de viver 79,66 anos, a mais alta do Estado. Na sequência, vinha o Corede Nordeste, que engloba municípios como Lagoa Vermelha e Machadinho, com 79,34 anos, e Vale do Jaguari, que inclui Santiago e Cacequi, com 79,11 anos. Os Coredes das regiões da Campanha (74,65 anos), Vale do Sinos (74,66) e Fronteira Oeste (74,69) registraram os menores números.

Publicações Relacionadas

Receba nosso Informativo

Informação de Contato
656415
© 2023 - Grupo Ceres de Comunicação - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade