Início » COOPERADAS PARTICIPAM DO CONGRESSO NACIONAL DE MULHERES

COOPERADAS PARTICIPAM DO CONGRESSO NACIONAL DE MULHERES

por Grupo Ceres
45 visualizações

As mulheres que atuam nos diferentes elos da cadeia do agronegócio já romperam com os estereótipos e preconceitos. São gestoras competentes, trabalhadoras motivadas e bastante conciliadoras, pois transitam entre o campo e a cidade com a mesma facilidade que harmonizam carreira e família. Foram essas algumas das conclusões da pesquisa “Todas as Mulheres do Agronegócio”, encomendada pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), elaborada pela empresa de pesquisa IPESO e divulgada durante o 2º Congresso Nacional da Mulheres do Agronegócio – Liderança Globalizada, Empreendedora e Integrada, realizado em São Paulo, dias 17 e 18 de outubro.

O evento reuniu cerca de mil mulheres de todo o país: agricultoras, pecuaristas, profissionais da indústria, executivas de corporações do setor, sucessoras, produtoras integradas e cooperadas e toda a cadeia do agronegócio. Dentre elas, quatro cooperadas da Cotrijal. Fabiana Venzon, Luciane Rheinheimer, Soeli Pasinato e Taciane Guindani tiveram a oportunidade de acompanhar workshops práticos e painéis de debates conduzidos por acadêmicos e renomados profissionais do agronegócio, inclusive de fora do Brasil.

A pesquisa da Abag entrevistou, por telefone, mulheres de todas as regiões do país. Das 862 entrevistadas, 73% atuam nas propriedades, sendo 49,5% em minifúndios, 10,9% em pequenas propriedades, 13,5% em médias e 26,1% em grandes.

O levantamento revelou também que muitas exercem uma segunda atividade, demonstrando o quanto são empreendedoras. Ao mesmo tempo, as entrevistadas disseram que buscam uma renda extra fora da propriedade para não abrirem mão da paixão pelo campo. O estudo constatou também que as mulheres do agronegócio são resilientes e não se contentam com a posição já conquistada e querem ir mais longe.

A maioria das 862 entrevistadas disse estar preparada para as posições de liderança – já conquistada por muitas – e que se interessa também por aprimorar conhecimentos sobre gestão empresarial, gestão de pessoas e finanças. A pesquisa revela um retrato atual e caracteriza um momento histórico do agronegócio brasileiro: a plena inserção feminina nas atividades executadas antes, dentro e depois da porteira, com o protagonismo tão sonhado pelas mulheres do campo há décadas. E, a julgar pelas características encontradas nesta pesquisa, em pouco tempo este estudo estará obsoleto, pelo dinamismo das mulheres do agronegócio e pela força de trabalho que já representam.

Na questão sobre as razões de escolher trabalhar na agropecuária, a pesquisa apontou que 36,2% das mulheres disseram ter optado pelo agronegócio por gostar da vida no campo, 34% afirmaram que já possuíam integrantes da família atuando na área, 15,6% já eram proprietárias ou sócias de propriedade rural, e 10,7% foram para o campo por ver na atividade uma oportunidade de trabalho.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Cotrijal, com informações da Abag

4696_2 4696_1 4696

Publicações Relacionadas

Receba nosso Informativo

Informação de Contato
656415
© 2023 - Grupo Ceres de Comunicação - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade