Início » Uma armadilha para o Aedes Aegypti! Faça sua parte

Uma armadilha para o Aedes Aegypti! Faça sua parte

por Grupo Ceres
91 visualizações

Nos últimos dias, viemos passando por um cenário de muitas chuvas, seguidas de dias de sol com temperaturas elevadas o que acende o alerta para a proliferação do Aedes aegypti, mosquito é o transmissor dos vírus da dengue, zika e chikungunya.

O mosquito leva de sete a dez dias para se desenvolver de ovo a adulto e a forma mais eficiente de evitar surtos das doenças transmitidas por ele é eliminar o ciclo de vida do inseto acabando com as larvas e os ovos, pois estes também são contaminados com o vírus.

O combate ao inseto é um dever de todos, é de extrema importância fazer da inspeção em casa um hábito semanal e de ter um olhar atento a locais menos óbvios que podem acumular água. “Onde tem água?

Uma inspeção semanal de dez minutos é suficiente para eliminar os criadouros domésticos, que representam cerca de 80

Para intensificar ainda mais o combate, a Secretaria Municipal de Assistência Social estará realizando uma série de palestras junto as escolas municipais afim de conscientizar o maior número de pessoas possíveis sobre a importância da eliminação de criadouros dos mosquitos. As agentes de saúde também estarão intensificando as orientações junto aos bairros.

Uma armadilha para o mosquito!

A armadilha fornecerá condições ideais para a reprodução do mosquito. A fêmea depositará na armadilha os seus ovos – e estes se desenvolverão em larva, pupa e, finalmente, mosquito.

Material

  • garrafa pet;
  • microtule;
  • tesoura;
  • lixa;
  • sementes de alpiste ou arroz – ou ração para gato/cachorro;
  • água;

 

Montagem da armadilha – A Mosquiteca:

A Mosquiteca foi inventada pelo professor Maulori Cabral, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em parceria com biólogos da Fiocruz. Foi testada e realmente funciona:

  1. Pegue uma garrafa pet de 2 litros (ou de um litro e meio) e corte a parte superior para fazer uma espécie de funil:

2. Corte cerca de 10 cm da garrafa, mais ou menos no meio dela, preservando a parte inferior:

3. Lixe a parte interna do pedaço superior da garrafa, onde se localiza o bocal ou abertura. Pode ser utilizada uma lixa para madeira, granulação 60, 100 ou 120. O objetivo é deixar a superfície interna bem áspera, em toda a sua extensão:

4. Utilizando o lacre da tampa ou cortando a ponta da tampa, use como “anel” essa parte da tampa da garrafa, feche o bocal com um pedaço de microtule dobrado. Atenção: o tule comum, utilizado em véus de noiva, não serve, pois os buracos da trama são muito largos:

5. Amasse uns cinco grãos de arroz, alpiste ou ração para gatos e coloque-os dentro da parte inferior da garrafa.

6. Uma e sele as duas partes, conforme a figura, usando fita isolante:

7. Está pronta a armadilha para a fêmea do mosquito transmissor da dengue

8. Coloque água limpa, até passar um pouco do bocal com tule deixando um espaço de 3 cm entre a água e o bocal. Complete a água à medida que ela evaporar.

9. Coloque a armadilha no quintal ou onde ficam os mosquitos. É necessário ser um local sombreado, pois as fêmeas do mosquito não gostam de sol.

Observações:

Para colocar os seus ovos, a fêmea do mosquito verifica onde está havendo evaporação de água.

Por que é necessário lixar o “funil”? – A superfície fica corrugada e, assim, a água sobe por capilaridade, aumentando a taxa de evaporação e atraindo mais facilmente a fêmea do mosquito Ades Aegypti.

Por que é necessário colocar os grãos de arroz ou alpiste amassados?  A fêmea só põe ovos onde ela identifica que a água possui alimento para as larvas.

Os ovos descerão pelos buracos da tela e ficarão na parte inferior do recipiente. A tela não permite que as larvas passem para a parte superior do recipiente. Se a tela estiver rasgada ou se os buracos da trama forem largos demais, ao invés de uma armadilha estaremos fazendo um criadouro para o mosquito.

A parte inferior da armadilha deve ser esvaziada periodicamente. As larvas podem ser mortas com cloro.

O mosquito adulto vive de 30 a 35 dias – e as fêmeas põem 100 ovos, de quatro a seis vezes, nesse período, sempre em locais com água limpa e parada. Se não encontra recipientes apropriados para depositar seus ovos, a fêmea pode voar distâncias de até três quilômetros, até localizar um ponto que considere ideal. Um ovo pode sobreviver até 450 dias – um ano e dois meses -, mesmo que o local em que ele foi depositado fique seco. Se esse local receber água novamente – por meio da chuva, por exemplo -, o ovo volta a ficar ativo, podendo se transformar em larva e, depois, em pupa, atingindo a fase adulta num prazo curtíssimo: de dois a três dias.

ATENÇÃO: O uso da armadilha deve ser massivo, ou seja, em larga escala, caso contrario, em pontos isolados servirá apenas como forma de atrair o mosquito que acabará encontrando outros locais para depositar seus ovos.

Jaques Petry
Jornalista (MTE 0018162/RS)
Assessoria de Comunicação Prefeitura Municipal de Não Me Toque/RS.

Publicações Relacionadas

Receba nosso Informativo

Informação de Contato
656415
© 2023 - Grupo Ceres de Comunicação - Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade